Microbiota do Magro: principais bactérias que promovem a perda de peso


Em 2013 apresentamos em nosso Workshop Mega Vitaminas de Suplementação Avançada para 200 nutricionistas as "novas estratégias da ciência para queimar gorduras e acelerar o metabolismo".

No evento realizado no Hotel Transamérica em Recife, apresentamos os suplementos à base de Lactobacillus rhamnosus, bactérias apontadas pelos cientistas como a nova aposta na perda de peso.


Esta semana o tema ganhou fama após a coach de emagreimento Mayra Cardi apresentar um novo produto 'Detox Limpeza Profunda' que contém a "microbiota do magro" e repercutiu negativamente nas redes sociais.


O produto à base de cinco compostos naturais promete a redução de 2 a 4 kg no peso corporal em 45 dias, diminuição da ansiedade e eliminação das toxinas “que te impedem de emagrecer”, além de regular o intestino, eliminar o inchaço abdominal e gases, melhorar o sistema imunológico e melhorar a absorção de nutrientes. A composição não foi apresentada e nem a lista de ingredientes. Em poucos minutos o produto se esgotou e foi retirado do site.


O que a ciência diz?

Segundo o bioquímico americano Justin Sonnenburg, cujo laboratório na Universidade Stanford estuda os fatores que influenciam as bactérias, “Não há dúvida de que a microbiota tem um papel no ganho de peso. A área é muito promissora, mas está apenas em sua infância.”


Sonnenburg e seus colegas ainda têm dúvidas básicas sobre como funciona a microbiota e como ela afeta nosso organismo. Primeiro, eles não sabem como cada alimento afeta cada uma das mais de 10 mil espécies que vivem no corpo humano. Manipulá-las com a especificidade sugerida pelas dietas é uma possibilidade remota. Em segundo lugar, os cientistas não têm certeza sobre quais bactérias causam a obesidade e quais ajudam no emagrecimento. É provável que o papel delas seja variável. Algumas que favorecem a obesidade podem ter outra função importante no corpo.



Uma matéria da revista Época explica que a ideia de que existem bactérias causadoras da obesidade surgiu a partir das pesquisas de uma das referência nessa área, o biólogo americano Jeffrey Gordon, da Universidade Washington. Em 2006, ele descobriu que, em pessoas que perderam peso, houve uma mudança importante na proporção entre dois grandes grupos de bactérias. Nos ex-­gordinhos, diminuíram os micro-organismos pertencentes a um grupo chamado Firmicutes e aumentaram os do grupo Bacteroidetes. À parte os nomes complicados, a conclusão era óbvia: o novo equilíbrio lembrava o encontrado em magros. As Firmicutes ganharam o apelido de bactérias da obesidade, e as Bacteroidetes levaram a pecha de amigas da balança.

O professor Murilo Pereira, estudioso da microbiota intestinal há 8 anos, se manifestou no Instagram acerca da polêmica da "Microbiota do Magro" e disse que "banalizar os mecanismos de manutenção da homeostase intestinal em um único sentido/'protocolo' parece pouco científico e genérico demais" e ressaltou que não há uma fórmula única e mágica para isso.

É possível usar algum produto para melhorar este perfil da microbiota intestinal?


Sim, é possível. Porém, não depende de um único produto. Deve-se fazer uma anamnese completa da pessoa e traçar uma estratégia nutricional, que inclui hábitos saudáveis.

Para saber quais suplementos podem ajudar na saúde da sua microbiota intestinal e promover um emagrecimento saudável, entre em contato conosco pelo WhatsApp (81) 99889-3333 e agende uma consulta.

Visualizações